Adicional de PENOSIDADE: STF dá prazo para congresso regulamentar

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Em uma decisão histórica, o Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu um prazo de 18 meses para que o Congresso Nacional regulamente o adicional de penosidade, conforme previsto na Constituição Federal. O STF reconheceu a omissão inconstitucional do Congresso em não regulamentar essa questão essencial para os trabalhadores brasileiros.

ADVOGADOS TRABALHISTAS
Mais de 20 anos de experiência
Em defesa do empregado!

Constituição Prevê Adicional de Penosidade

A Constituição Federal estabelece o direito ao adicional de penosidade para trabalhadores cujas funções demandem altos desgastes físicos ou mentais.

No entanto, a ausência de uma regulamentação específica tem gerado incertezas e lacunas na proteção dos direitos dos trabalhadores.

Omissão Inconstitucional do Congresso

O STF, ao julgar a ação, reconheceu a omissão do Congresso Nacional em regulamentar o adicional de penosidade, caracterizando-a como inconstitucional.

Os ministros destacaram a importância de proteger a saúde e o bem-estar dos trabalhadores que se encontram em situações de trabalho penosas, e a necessidade urgente de uma legislação que defina claramente os critérios e condições para o recebimento do adicional.

Conceito de Penosidade

O conceito de penosidade, am abstrato, refere-se a trabalhos que exigem altos desgastes físicos ou mentais dos trabalhadores.

No entanto, a regulamentação desse conceito é complexa e requer uma análise detalhada para definir quais atividades e condições se enquadram nessa categoria. O STF enfatizou essa dificuldade, especialmente no voto do Ministro Gilmar Mendes.

Com essa decisão, o STF espera que o Congresso Nacional tome as medidas necessárias para garantir a proteção adequada aos trabalhadores que realizam atividades penosas, contribuindo para a melhoria das condições de trabalho e a valorização do esforço e dedicação desses profissionais.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

Fale com a gente agora!