Empregada grávida pode levar justa causa?

Mais uma dúvida muito comum de muitas leitoras em nosso blog: uma empregada grávida que possui estabilidade pode ser demitida por justa causa?

É muito comum ocorrer a seguinte situação em nosso cotidiano: Uma determinada empregada fica grávida e por consequência adquire a estabilidade no emprego até 5 meses após o parto.

Sabendo que é detentora da Estabilidade, a empregada gestante simplesmente começa a faltar injustificadamente sem dar qualquer satisfação, começar a trabalhar de forma desidiosa (com preguiça) ou até começa a não obedecer as ordens de seus superiores, questionando todas as decisões que vem do Empregador.

ADVOGADOS TRABALHISTAS
10 anos atuando na defesa dos direitos trabalhistas
Comprometida em resolver conflitos e proteger direitos

No entanto, é necessário afirmar aqui que a estabilidade da gestante NÃO É ABSOLUTA.

Se uma empregada grávida comete faltas graves como as descritas acima ela poderá, sim, vir a ser demitida por JUSTA CAUSA e perder todos os seus direitos.

Por isso, muito cuidado, pois a empregada gestante não é “intocável” e, caso cometa uma falta grave, poderá, sim, ser demitida por justa causa, de acordo com a lei.

Porém, há os casos em que a empresa realmente começa a “perseguir” a empregada gestante, de forma a dar uma demissão por justa causa totalmente sem cabimento.

Nesse caso, a empregada gestante pode reverter a justa causa na justiça, por meio de uma Reclamação Trabalhista.

É perfeitamente possível reverter uma justa causa aplicada a uma gestante.

Isso porque para a gestante ser demitida por justa causa, devem haver provas contundentes. Caso as provas não sejam muito fores, a tendência é que a justiça derrube essa demissão por justa causa.

Entre agora no nosso canal do Whatsapp, clicando aqui.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fale com a gente agora!